Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Guarani’

EP93_GUAxSEP2

Em Campinas, o Palmeiras conseguiu um excelente resultado ao vencer o Guarani por 2 a 0 e manter 125% de aproveitamento (4 pontos obtidos em dois jogos mais o ponto extra). Com isso, o Verdão mantinha dois pontos de vantagem em relação à Ferroviária, que seria o próximo adversário, e abria quatro para o Bugre e cinco para o Rio Branco. Com apenas mais oito pontos por disputar, era uma distância considerável. Já no outro grupo, o Corinthians bateu o Novorizontino e, em jogo que foi disputado apenas na sexta devido aos compromissos do São Paulo na Libertadores, o Santos venceu o clássico por 3 a 2. Com isso, o arquirrival tinha 4 pontos, contra dois dos outros grandes e zero do Tigre.

Na partida de quinta, mal deu tempo de o Guarani sonhar: logo aos 4 minutos, Edmundo lançou Roberto Carlos, que cruzou para Edílson desviar e abrir o placar contra seu ex-clube. Satisfeito com a vantagem, o time preferiu cadenciar o jogo e esperar o adversário, que tomou a iniciativa e buscou o empate, mas parou na boa atuação da dupla de zaga e na trave, onde foi parar uma cabeçada do jovem atacante Luizão – esse mesmo.

Na segunda etapa, o time campineiro seguiu na pressão, mas pouco a pouco o Alviverde conseguiu segurar o ímpeto do rival. As chances passaram a ser divididas, e em seguida a se apresentar mais para o lado da capital. Na metade do período, Roberto Carlos carimbou a trave, e no rebote tanto Edílson quanto Mazinho desperdiçaram. Um minuto depois, o lateral/volante caiu na área, segundo os palmeirenses, mas o juiz deu falta fora.

Dez minutos depois, porém, o Palmeiras matou a partida: Edmundo invadiu a área e chutou cruzado na saída do goleiro Narciso. Era o segundo gol, era o segundo adversário derrubado no quadrangular. A final era um sonho cada vez mais próximo.

Ficha Técnica

Gols: Edílson 4 do 1º Tempo; Edmundo 35 do 2º Tempo.

Guarani: Narciso, Jura,  Fernando, Marcelo e Rocha; Valmir, Da Silva (Gilmar) e Vanderlei (Pael);  Tiba, Luizão e Alex. Técnico: Flamarion

Palmeiras: Sérgio, Mazinho,  Antônio Carlos, Tonhão e Roberto Carlos (Jean Carlo); César Sampaio, Amaral e Edílson; Edmundo, Maurílio  (Daniel) e Zinho. Técnico: Wanderley Luxemburgo

Cartões Amarelos: Narciso, Tiba, Rocha, Alex e Amaral

Árbitro: José Aparecido  de Oliveira

Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, para 16.890 pagantes e renda de Cr$ 1.871.975.000,00

Tonhão teve grande atuação em Campinas

Tonhão teve grande atuação em Campinas

Read Full Post »

EP93_SEPxGUA

A quinta-feira trouxe mais dois pontos; foi a terceira vitória seguida do Palmeiras no Paulistão, em que a liderança definitiva estava cada vez mais próxima – agora, bastava um mísero pontinho em três partidas. Após um empate indesejado contra o Grêmio pela Copa do Brasil, o placar vistoso que o time aplicou sobre o Bugre era o combustível necessário para encarar o Derby do domingo com o ânimo em alta.

O curioso é que a boa atuação veio com um time meio improvisado: no meio de campo, apenas César Sampaio era presença habitual. Seus companheiros, Amaral e Juari, tinham pouca rodagem, mas mesmo assim o Palmeiras começou martelando o Guarani, e logo aos 11 minutos Antonio Carlos aproveitou cruzamento de Edmundo para fazer o primeiro.

O gol não mudou o ímpeto da equipe; assustando, o Bugre se defendeu como pôde, e fez isso bem – a partida foi para o intervalo com a vantagem mínima. Mas o cenário se manteve na segunda etapa, e não dava para resistir muito mais. Edmundo marcou aos 15, e o Palmeiras ainda teria dois pênaltis, ambos batidos por Zinho, que desperdiçou o primeiro mas não o segundo. E assim o Verdão passou por cima de mais um adversário, deixando a torcida – que desta vez não compareceu em grande número – com aquele gostoso gosto de quero mais.

Ficha Técnica

Gols: Antonio Carlos 11 do 1º Tempo; Edmundo 15 e Zinho (pênalti) 43 do 2º

Palmeiras: Sérgio; Mazinho, Antônio Carlos, Edinho Baiano (Tonhão) e Roberto Carlos; César Sampaio (João Luís), Amaral e Juari; Edmundo, Maurílio e Zinho. Técnico: Wanderley Luxemburgo.

Guarani: Narciso, Jura, André Beraldo, Fernando e Marcelo (Alex); Valmir, Da Silva e Robert; Gilmar (Pael), Luizão e Edu Lima. Técnico: Flamarion.

Cartões Amarelos: Fernando, Pael e Jura

Árbitro: Silas Santana

Estádio: Parque Antarctica, para 10.366 pagantes com renda de Cr$ 987.160.000,00

Na segunda cobrança, Zinho marcou.

Na segunda cobrança, Zinho marcou.

Read Full Post »

No embalo da raça

No embalo da raça

Time grande embalado contra time pequeno rebaixado, não poderia ser diferente: um passeio. Foi assim, com extrema facilidade, que o Palmeiras goleou e chegou a quinta vitória consecutiva.

Desde o primeiro minuto de partida, o domínio foi palestrino. Com a mesma vontade das partidas anteriores, mas claramente dosando o ritmo, a equipe trocava passes com tranquilidade, apostando nas jogadas em velocidade pela esquerda. Sempre abafando a saída de bola campineira, o placar só não foi aberto mais rápido porque a equipe sente demais a falta de uma referência na área.

As primeiras grandes chances do jogo saíram dos pés de Vinícius, em jogadas de linha de fundo. Na primeira, limpou o zagueiro, mas cruzou com muita força e Ronny não conseguiu alcançar. Em seguida, novamente jogada rápida pela lateral, mais um drible no zagueiro e a conclusão. O goleiro ainda espalmou para o meio da área, mas Tiago Real não aproveitou o rebote.

O gol era questão de tempo, e nasceu de uma triangulação rápida pela esquerda. Vinícius tocou para Tiago Real, que enfiou de primeira para a chegada surpresa de Léo Gago. O volante só teve o trabalho de dominar e fuzilar.

Com a vantagem no placar, o Palmeiras continuou com o domínio das ações, mas passou a trocar mais passes, esperando o Guarani dar espaços. O segundo gol veio em mais uma jogada pela esquerda. Dessa vez em um cruzamento de Souza, que Vilson cabeceou livre. O zagueiro ainda teve a chance de marcar mais um, novamente em cruzamento de Souza, mas errou a cabeçada.

No segundo tempo o Palmeiras seguiu pressionando, mas esbarrava na falta de um referência do ataque. Tiago Real e Souza tiveram chances, não souberam aproveitar, e veio o castigo. Em boa tabela pelo meio, Everton fuzilou sem chances para Prass.

O Guarani ainda tentou esboçar uma reação, mas nossa torcida foi determinante para que a equipe acordasse e se reencontrasse em campo, vaiando sempre que o Guarani tinha a bola. A pressão das arquibancadas deu certo, e Charles deixou novamente o Palmeiras em situação confortável, vencendo o goleiro Renan em chute rasteiro de fora da área.

Ainda cabia mais. Vinícius recebeu no meio, deu belo passe para a entrada em velocidade de Ronny, que bateu rasteiro e cruzado. Quarto gol e fatura fechada no municipal.

Com a vitória, o Palmeiras ganhou uma posição e vai para a última rodada ainda com chances de terminar no G4, apesar de não depender apenas de si para isso.

Notas

– Prass: mero expectador, não foi incomodado – 7,5

– Ayrton: bem no apoio, vacilou em algumas bolas na defesa, mas sem comprometer. Zerou os amarelos para a fase final – 6,5

– Vilson: seguro na zaga e deixou mais um – 8

– André Luiz: muito seguro na defesa, mas deixa a desejar na saída de bola. Tomou o terceiro amarelo e também entra na fase final zerado – 7

– M.Oliveira: mais preso na defesa, fez boa partida – 7

– João Denoni: faz o arroz com feijão sem comprometer, apesar de algumas bolas que recebeu na fogueira – 6,5

– Léo Gago: bem na saída para o jogo, apareceu bem no ataque e marcou seu primeiro com a camisa verde – 7,5

– Souza: ainda abaixo do ritmo dos demais, precisa acordar se quiser manter a titularidade. Foi dele o cruzamento para o gol de Vilson – 6,5

– Tiago Real: único meia com característica de armação na equipe, faz bem o papel de manter a bola no ataque e foi dele o passe para o primeiro gol – 7,5

– Ronny: apareceu bem no ataque, caiu pelas pontas, puxou contra-ataques e deixou o dele – 8

– Vinícius: a sequência lhe deu confiança e vem fazendo boas partidas. Precisa de uma dupla de ataque, urgente – 8

– Weldinho: participação discreta – 6

– Rondinelly: desinteressado, lento e fora de sintonia. Era a chance para mostrar que também pode ser útil a equipe e não soube aproveitar. Vale a pena inscrevê-lo na Libertadores? – 5

– Charles: confirmando a boa fase, precisou de menos de 10 minutos para marcar seu terceiro gol na temporada – 7,5

Melhores Momentos

Ficha Técnica

PALMEIRAS 4 X 1 GUARANI

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 14/4/2013 – 16h
Árbitro: Robério Pereira Pires (SP)
Auxiliares: Fausto Augusto Viana Moretti (SP) e Risser Jarussi Corrêa (SP)
Renda/Público: R$ 185.115,00/ 6.937 pagantes.
Cartões Amarelos: João Denoni, Ayrton, Vilson, Charles, André Luiz (PAL); Welligton Monteiro, Marquinhos e Montoya (GUA)
GOLS: Léo Gago 11’/1ºT (1-0); Vilson 29’/1Tº (2-0); Everton 27’/2ºT (2-1); Charles 42’/2ºT (3-1); Ronny 46’/2ºT (4-1)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Ayrton (Weldinho, 17’/2ºT) , Vilson, André Luiz e Marcelo Oliveira; João Denoni (Rondinelly 18’/2ºT), Léo Gago, Souza (Charles, 34’/2ºT) e Tiago Real; Vinícius e Ronny. Técnico: Gilson Kleina.

GUARANI: Renan; Oziel, Montoya, Anderson e Marquinhos; Wellyson, Felipe, Wellington Monteiro (Cadu, 32/2ºT) e Everton; Ronaldo Mendes (Fernando Gaúcho, 20/2ºT) e Erick. Técnico: Paulo Pereira (interino).

Read Full Post »

SEPxGUA

Embalado, classificado e com a moral lá em cima. Em busca da quinta vitória seguida, que não conseguimos desde fevereiro do ano passado, é assim que o Palmeiras vai a campo para tentar subir na tabela, mas sem esquecer que semana que vem tem mais Libertadores. Do outro lado, o segundo time verde mais tradicional do Estado, infelizmente já rebaixado. Força, Bugre, mas não neste domingo.

Horário e local: domingo (14/04), as 16:00, no Pacaembu (PPV).

Árbitro: será Robério Pereira Pires, cujo histórico registra 7 jogos (4V/2E/1D):

2013 – 3×3 XV Piracicaba (P,f)

2009 – 2×1 Bragantino (P, c)

2008 – 3×1 S.Caetano (P, c) / 0x1 Noroeste (P, f)

2002 – 3×0 Mogi (Amistoso, f)

2001 – 2×1 Portuguesa Santista (P, f) / 0x0 Vasco (Rio-SP, f)

Situação na tabela: o Palmeiras é o sexto, com 31 pontos. Já o Guarani segura a lanterna, com apenas 10.

Desfalques/Reforços: Leandro Amaro e Patrick Vieira, lesionados, e Leandro, suspenso, ficam de fora. Os jogadores impedidos de atuar na Libertadores ficam a disposição. Valdivia e Kleber devem continuar de fora.

Pendurados: Ayrton, Valdivia, Wendel, Araújo, Weldinho, Charles e André Luiz. Próxima partida: Sporting Cristal (fora). Pelo Paulista, será o Ituano (fora).

Previsão IPE: Prass; Weldinho, Vilson, André Luiz e Fernandinho; Denoni, Léo Gago, Souza e Tiago Real; Vinícius e Caio.

Destaques/Guarani: o zagueiro Thiago Pagnussat e o atacante Siloé retornam de suspensão. O artilheiro da equipe, Ronaldo Mendes, fica de fora, lesionado. O time vem se desmanchando, mas a provável escalação do Bugre deverá ter Renan; Oziel, Cássio, Tiago Pagnussat e Marquinhos; Coutinho, Wellyson (Eloi), Cadu e Thiago Gentil; Erik e Fernando Gaúcho (Michel).

Olho nele: o “meia” Thiago Gentil é (acreditem!) o cérebro da equipe.

Ex-palmeirenses no Guarani: o zagueiro Thiago Matias e o atacante Thiago Gentil.

Palpite IPE: 2×0, gols de Caio e André Luiz.

Último confronto: foi a derrota pelas quartas de final do Paulsitão 2012 – 2×3 – gols de Henrique e Assunção para o Palmeiras, e Fumagalli e Fabinho (2) para o bugre.

Última vitória em casa: foi pelo BR2010 – 1×0 – gol de Leandro Amaro. 

Última derrota em casa: faz tempo! Foi pelo BR2004 – 0x2 – gols de Marcos Paulo e Evandro Roncatto, em partida que nos tirou de vez da briga pelo título daquele ano.

Histórico: o primeiro confronto da história entre as equipes foi um amistoso em 1916, que terminou em empate sem gols.

GERAL CAMPEONATO PAULISTA
J V E D GP GC J V E D GP GC
186 94 48 44 319 202 125 65 36 24 225 132

O IPE não se lembra: pelo Paulistão 79 o Palmeiras recebeu o Guarani e venceu – 2×0 – gols de Jorginho e Jorge Mendonça.

Read Full Post »

EP93_GUAxSEP

Em um ótimo domingo, o Palmeiras não só bateu o Guarani fora de casa por 3 a 1, como também assumiu pela primeira vez a liderança do campeonato com a derrota do Santos para o São Paulo por 1 a 0 – e o Verdão ainda tinha um jogo a menos (lembramos que a liderança valeria um ponto extra no quadrangular, algo que não era de se jogar fora). De quebra, passou a ter o melhor ataque da competição, com 26 (já tinha o artilheiro: Evair, com 11).

Em Campinas, não só o placar foi o mesmo do jogo anterior, contra o Ituano, como o desenrolar da partida também se assemelhou bastante: o Palmeiras sofreu um gol muito cedo, mas rapidamente conseguiu o empate, em chute de Roberto Carlos desviado pelo zagueiro bugrino contra sua própria meta. O Verdão se acalmou e começou a mostrar sua maior qualidade técnica. Quem resolveu dessa vez, porém, foi a zaga: ainda no primeiro tempo, após cobrança de escanteio, a bola sobrou para Edinho Baiano virar a partida de voleio. Após o intervalo, foi Antonio Carlos quem ampliou de cabeça. O Palmeiras, mais descansado após três dias sem jogar, sentia-se à vontade em campo, tanto que Otacílio Gonçalves não fez nenhuma substituição.

Os debates noturnos mostraram uma tabela em que o Verdão dormia com 18 pontos (fruto de 7 vitórias e quatro empates), o Santos com 17 e o São Paulo com 16. Mas a semana seguinte seria pesada: terça, o Bragantino fora, em jogo atrasado; quinta, o Juventus em casa, e domingo o São Paulo, engasgado desde o vice-campeonato de 1992, no Morumbi.

Claro que ninguém sabia até então, mas a liderança que o Verdão conquistou naquele dia seria mantida sem interrupção até o fim da primeira fase, e também durante o quadrangular. O Palmeiras só se veria novamente atrás de alguém na tabela dali a três meses, no dia em que Viola imitou um porco e pagou caro por isso depois.

Ficha Técnica

Gols: Pael 5, André Beraldo contra 10 e Edinho Baiano 34 do 1º tempo; Antônio Carlos 18 do 2º tempo

Guarani: Marcos Garça, Gustavo, André Beraldo, Nildo, Rocha; Valmir, Pael, Robert (Gilmar); Tiba, Da Silva (Luizão), Edu Lima. Técnico: Flamarion

Palmeiras: Sérgio; Mazinho, Antonio Carlos, Edinho Baiano, Roberto Carlos; César Sampaio, Daniel, Edilson, Zinho; Edmundo, Evair. Técnico: Otacílio Gonçalves

Cartões Amarelos: Nildo, Antônio Carlos, Edinho Baiano e Pael.

Árbitro: Oscar Roberto de Godói

Estádio: Brinco de Ouro, para 28.741pagantes com renda de Cr$ 1.406.180.000,00

Antonio Carlos fez seu 1º gol pelo Verdão

Antonio Carlos fez seu 1º gol pelo Verdão

Read Full Post »

Chegou a hora da verdade. Depois de longas 19 rodadas, começa a fase decisiva do Campeonato Paulista 2012. O Palmeiras vai a Campinas enfrentar o Bugre, pelas quartas-de-final. Lembrando que, em caso de empate, o jogo irá para os penaltis. Vamos às informações da partida.

Horário e local: Domingo, 22/04/12, as 18:30, no estádio Brinco de Ouro da Princesa (Sportv).

Árbitro: será Vinicius Furlan, cujo histórico registra quatro partidas e nenhuma derrota:

2011 – 1×0 Santos (f); 3×1 Paulista (c)

2010 – 3×1 XV de Piracicaba (amistoso)

2009 – 1×1 Guaratinguetá (f)

Desfalques: Wesley só ano que vem. Maikon Leite se recupera de lesão no joelho e deve ficar de fora. Luan (que pediu para jogar), Thiago Heleno e Valdivia já treinam com bola mas não devem ir para o jogo. Não há suspensos.

Pendurados: Cicinho, João Vitor e M.Assunção. Próximo adversário: se avançarmos, será o vencedor de Corinthians x Ponte Preta.

Previsão IPE: Deola; Cicinho, Henrique, L.Amaro e Juninho; M.Araújo, Assunção, João Vitor e D. Carvalho; Fernandão e Barcos.

Destaques/Guarani: a equipe de Vadão foi eliminada da Copa do Brasil pelo Botafogo após perder em casa por 2×1 e empatar no Rio por 0x0. A escalação deve ter apenas duas mudanças com relação à que nos enfrentou na primeira fase do Paulista. O goleiro Emerson está recuperado de lesão e volta à equipe. Já o experiente volante Wellington Monteiro rompeu os ligamentos do joelho e só volta ano que vem. Sendo assim, o Guarani deverá ir a campo com Emerson; Oziel, Domingos, Neto e Bruno Recife; Fábio Bahia, Willian Favoni, Danilo Sacramento e Fumagalli; Fabinho e Bruno Mendes.

Ex-palmeirenses no Guarani: Max Pardalzinho.

Palpite IPE: 1×1 no tempo normal, gol de Assunção. Nos penaltis, dá Palmeiras por 4×3.

Última vitória no local do jogo: foi pelo Campeonato Paulista de 2003. Com gols de Magrão e Pedrinho, o Verdão venceu o Bugre por 2×0.

Última derrota no local do jogofoi os 3×1 da primeira fase, gols de Neto, Fumagalli e Bruno Mendes (GUA) e Barcos (PAL).

Histórico: o primeiro confronto da história data de 1928 e foi vencido pelo Palestra Itália – 4×2 (Bianco, Carrone, Heitor e Perillo (PAL); Robertinho (2) (GUA))

GERAL CAMPEONATO PAULISTA
J V E D GP GC J V E D GP GC
185 94 48 43 317 198 124 65 36 23 223 128

O IPE se lembra: pelo Campeonato Brasileiro de 2001, o Palmeiras foi a Campinas e trouxe de volta os três pontos – 3×1 – gols de Arce, Lopes e Tuta para o Palmeiras e do então jovem Fumagalli descontando para o Guarani.

Read Full Post »

A fase final do Campeonato Paulista, no formato atual, foi adotada ano passado, mas a existência de quartas-de-final em si não é novidade. Além de 2011, houveram outras duas edições em que esta fase existiu, ambas também em confronto único, e o Palmeiras esteve presente nelas.

Em 2003, o Palmeiras se classificou na bacia das almas: eram 3 grupos de sete times; classificavam-se os dois primeiros de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados. O Verdão passou justamente como o segundo melhor segundo colocado ao empatar em Americana na última rodada. Tivesse sofrido um gol a mais nessa partida, a vaga ficaria com o próprio Rio Branco.

Desta forma, nos coube enfrentar a sensação do torneio até ali: o São Caetano, 6 vitórias em 6 jogos, incluindo um atropelamento por 3 a 0 ao futuro campeão Corinthians em pleno Pacaembu. Para piorar, o regulamento previa a vantagem do empate ao time melhor colocado; entretanto, em noite inspirada de Thiago Gentil, um Palmeiras rebaixado, sob desconfiança geral e com diversas caras novas que não durariam sequer até o início da Série B, resolveu lembrar de sua grandeza: 2 a 0 no Anacleto Campanella. Na semifinal, o time esteve na frente quase todo o tempo na primeira partida, mas cedeu o empate ao Corinthians; no segundo jogo, com a equipe sem nenhum zagueiro em condição de jogo, o rival rapidamente abriu 3 a 0 e venceu por 4 a 2.

Em 2004, a primeira fase mudou: eram dois grupos, um com 11 e outro com 10 times – não é de hoje que o Paulista apresenta bizarrices. No grupo maior, o Palmeiras encerrou a primeira fase em terceiro lugar, lhe cabendo o segundo colocado do outro grupo em jogo único fora de casa. Desta forma, o Verdão desceu a serra para encontrar a Portuguesa Santista. A regra era diferente: empate no tempo normal levaria à prorrogação, e dali aos pênaltis. A Briosa chegou ao intervalo na frente, mas Vágner Love e Pedrinho puseram o recém-promovido Palmeiras nas semifinais contra o Paulista, que nos eliminaria nas penalidades.

Ano passado, o Palmeiras fez as quartas “em casa”, após terminar a primeira fase na segunda colocação. Assim como este ano, os primeiros quatro colocados tinham como única vantagem o direito de decidir em casa. No caso de empate no tempo normal, a decisão iria para os penaltis. Nos emparelhamentos, o adversário foi o Mirassol, e a vitória por 2×1 no Pacaembu nos colocou na semi, que perderíamos para o Corinthians, nos penaltis, após jogar boa parte da partida com um a menos, em jogo que ficou marcado pela polêmica escalação antecipada de Paulo César de Oliveira antes mesmo do sorteio na FPF.

Este ano o regulamento é o mesmo e, já que conseguimos a façanha de ficarmos em quinto lugar, decidiremos a vaga fora de casa, contra o Guarani. Esperamos que o retrospecto de vitórias nesta fase se mantenha!

FICHAS TÉCNICAS

26/02/2003 – SÃO CAETANO-SP 0 x 2 PALMEIRAS-SP – CAMPEONATO PAULISTA
Estádio Anacleto Campanella – São Caetano / SP – Brasil – Horário: 21h00
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP) – Assistentes: Marinaldo Silvério (SP), Francisco Feitosa (SP)
São Caetano (São Caetano/SP): Sílvio Luiz, Rafael, Dininho, Serginho, Zé Carlos, Marcos Aurélio (Mineiro), Ramalho (Marlon), Fábio Santos, Luís Carlos Capixaba, Marcinho, Adhemar (Anaílson) – Técnico: Mário Sérgio
Palmeiras (São Paulo/SP): Marcos, Pedro, Índio, Leonardo, Marquinhos, Adãozinho, Claudecir, Magrão, Zinho (Corrêa), Muñoz (Everaldo), Anselmo (Thiago Gentil) – Técnico: Jair Picerni
Cartões amarelos: Dininho, Marco Aurélio (São Caetano), Marcos, Leonardo, Magrão (Palmeiras) – Cartões vermelhos: Rafael (São Caetano), Pedro, Claudecir (Palmeiras)
Gols: Thiago Gentil (Palmeiras), 8 min, 42 min segundo tempo

21/03/2004 – PORTUGUESA SANTISTA-SP 1 x 2 PALMEIRAS-SP – CAMPEONATO PAULISTA
Estádio Ulrico Mursa – Santos / SP – Brasil – Horário: 16h00 – Público: 7.549 pagantes – Renda: R$ 98.140,00
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP) – Assistentes: Nílson de Souza Monção (SP), Émerson Augusto de Carvalho (SP)
Portuguesa Santista (Santos/SP): Cristiano, Édson Mendes, Diguinho, Chicão, Fabinho, Axel, Beto (Leandro Moreno), Reinaldo (Gileno), João Fumaça (Luciano Barbosa), Nando, Marlon – Técnico: Nenê
Palmeiras (São Paulo/SP): Marcos, Baiano, Leonardo, Nen, Lúcio, Marcinho (Rafael Marques), Corrêa, Diego Souza, Pedrinho (Fábio Gomes), Vágner Love, Adriano Chuva (Muñoz) – Técnico: Jair Picerni
Cartões amarelos: Axel, João Fumaça (Portuguesa Santista), Baiano, Lúcio, Leonardo (Palmeiras) – Cartão vermelho: Diguinho (Portuguesa Santista)
Gols: Beto (Portuguesa Santista), 21 min primeiro tempo, Vágner Love (Palmeiras), 11 min, Pedrinho (Palmeiras), 14 min segundo tempo

24/04/2011 – PALMEIRAS-SP 2 x 1 MIRASSOL-SP – CAMPEONATO PAULISTA
Estádio Paulo Machado de Carvalho – São Paulo / SP – Brasil – Horário: 18h30 – Público: 17.538 pagantes – Renda: R$ 466.682,00
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP) – Assistentes: Hérman Brúmel Vani (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)
Palmeiras (São Paulo/SP): Deola, João Vitor, Danilo, Leandro Amaro, Rivaldo, Marcos Assunção, Márcio Araújo, Tinga (Chico), Valdivia (Lincoln), Luan, Kléber – Técnico: Luiz Felipe Scolari

Mirassol (Mirassol/SP): Fernando Leal, Samuel (Daniel Marques), Luiz Henrique, Dezinho, Diego, Magal, Jairo, Esley (Marcelinho), Xuxa, Wellington Amorim, Serginho (Renato Peixe) – Técnico: Ivan Baitello

Cartões amarelos: Deola, Danilo, Rivaldo e Tinga (Palmeiras), Dezinho, Esley (Mirassol) – Cartão vermelho: Xuxa (Mirassol)
Gols: Valdivia (Palmeiras), 10 min primeiro tempo, Marcelinho (Mirassol), 40 min primeiro tempo, Márcio Araújo (Palmeiras), 11 min segundo tempo.

Read Full Post »

Older Posts »